terça-feira, 11 de agosto de 2020

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

terça-feira, 4 de agosto de 2020

sábado, 1 de agosto de 2020

quinta-feira, 30 de julho de 2020

quarta-feira, 29 de julho de 2020

terça-feira, 28 de julho de 2020

domingo, 26 de julho de 2020

sábado, 25 de julho de 2020

quinta-feira, 23 de julho de 2020

quarta-feira, 22 de julho de 2020

segunda-feira, 20 de julho de 2020

sexta-feira, 17 de julho de 2020

quinta-feira, 16 de julho de 2020

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Médicos explicam como o governo Bolsonaro está matando os indígenas com ...





Médicos explicam como o governo Bolsonaro está matando os indígenas com cloroquina

Pekín promete nuevas sanciones contra Washington por el fin de preferenc...





China promete nuevas sanciones contra individuos y entidades estadounidenses en respuesta a la decisión de EE.UU. de poner fin al trato económico especial con Hong Kong. En una nueva escalada de tensiones, Washington no solo anuló las preferencias a la autonomía china, sino también firmó un proyecto de ley para introducir nuevas restricciones en relación con la polémica ley de seguridad.

Como Chegamos até aqui? | Coluna do Di Mauro





Cláudio Di Mauro, professor de geografia na Universidade Federal de Uberlândia e colunista da revista Diálogos do Sul, faz uma analise sobre como o Brasil chegou ao ponto que está. A analise cronológica passa pelo bem sucedido governo petista, ao golpe em Dilma e a conspiração para tirar Lula da corrida eleitoral.

��Casa caiu: a MORTE do "PT Jurídico". Bomba: talvez role até "queima de ...





Diretamente da Suíça, Romulus Maya, Editor-chefe do Duplo Expresso, e Piero Leirner, antropólogo, mestre enxadrista, Professor Doutor Catedrático de “Guerra Híbrida” da Casa, dividem sua PERPLEXIDADE com a Rede diante do mais absoluto FIASCO político-“comunicacional” representado pela LIVE-haraquiri de um dos maiores expoentes do chamado “PT Jurídico”, o Deputado Paulo Teixeira.
(Nota: quem sabe dele é Teonílio “Barba”, o “deputado do Lula”…
#Kompromat)
Estávamos todos, Leirner e Maya em especial, ansiosos para ver como se daria o “spin” comunicacional na pauta que QUEBROU AS PERNAS, a um só tempo, do “PT Jurírico” e do seu esquema midiático, o “PIGuinho Vermelho”.
Ora, os “documentos ‘do Romulus Maya’ (sic) na Suíça”, que todos esses ridicularizavam — em privado e em público (alô, Leonardo Attuch “Dantas Nahas”!) — até 10 dias atrás (!) foram, finalmente, requeridos formalmente pelo ex-Presidente Lula à Procuradoria Geral da Suíça, por meio de advogado constituído no país alpino.
(com intermediação de… Romulus Maya!)
Que tratamento editorial “PT Jurídico” e “PIGuinho Vermelho” poderiam dar à pauta — já incontornável, agora, apesar de todo o esforço de invisibilização dos mesmos de sempre — para:
(i) voltar atrás na campanha de ridicularização de, “apenas”, 2 anos e sete meses (mesmo período em que esses, “coerentemente”, pressionaram Lula para que nada fizesse na Suíça!);
(ii) evitar a percepção, mesmo junto a detratores, de que tal desdobramento representa uma das maiores capitalizações de imagem possível para o “inimigo” jurado, o Duplo Expresso;
(iii) defender — ao contrário do Duplo Expresso — que Lula use o dossiê Odebrecht apenas em causa própria, em conchavo clandestino, e não como “bomba de nêutron”, capaz de zerar o jogo, ao expor propina paga, fora do Brasil, pela Odebrecht à cúpula do Judiciário “lavajatista”; a Generais “lavajatistas” (?); a jornalistas de Império midiático “lavajatista” (?); usando bancos que contratam — e pagam regiamente — “palestras” (?)/ proteção “lavajatistas”; e, principalmente, DARIO MESSER, o “doleiro dos doleiros”, a “criptonita” do “Super-Moro” (dos pés de barro…).
E…?
E… NADA, amigo, amiga!
“Live fio-dental”: mostra tudo e esconde o essencial!
Paulo Teixeira, o criminalista “Kakay” e o jornalista que deu o furo (!) na semana passada sobre o pedido de Lula na Suíça, Jamil Chade, correspondente local do UOL — e mais dois figurantes convenientemente bastante versados no juridiquês (que muito fala sem nada dizer) — conseguiram fazer uma live(-fiasco) de
2:20h (!), de sugestivo título “A CONEXÃO SUÍÇA DA LAVA JATO” (atenção: as maiúsculas na grafia são deles!), e — pasme! — NÃO FALAR (agora as maiúsculas são minhas mesmo…) do principal: o pedido de Lula! Que provará — em benefício do Brasil E/ OU apenas pessoal (se essa gente vencer em seu renovado lobby) — o crime de falsificação das provas recebidas, em boa-fé, da SUÍÇA (!) pela… LAVA JATO!
Ora, meu amigo, minha amiga!
“A CONEXÃO SUÍÇA DA LAVA JATO”!
Haja… “conexão”!
Em especial com a… Lava Jato!
E contra o Brasil!
*
— Romulus Maya, e essa tal “queima de arquivo” do título, hein?
— Já, já, caro Expressonauta. Ao vivo no D.E.!

Blog do Roberto Moraes: "O mito ocidental da democracia (e sua impossibili...

Blog do Roberto Moraes: "O mito ocidental da democracia (e sua impossibili...: Douglas Barreto da Mata, nos oferece mais um artigo com uma reflexão provocativa parte da sua série Diários da Pandemia.Com " O mito oc...

segunda-feira, 13 de julho de 2020

domingo, 12 de julho de 2020

sábado, 11 de julho de 2020

sexta-feira, 10 de julho de 2020

quinta-feira, 9 de julho de 2020

quarta-feira, 8 de julho de 2020

GUERRA NO IÊMEN - HOUTHIS VERSUS SOLDADOS E MERCENÁRIOS SAUDITAS - 29.06...





Guerreiros iemenitas Houthis retomam uma área geográfica de 400 quilômetros quadrados das províncias de Al-Bayda e Marib.

Blog do Roberto Moraes: "Os novos feudos pós-capitalistas e suas unidades ...

Blog do Roberto Moraes: "Os novos feudos pós-capitalistas e suas unidades ...: O blog publica abaixo, a segunda parte do artigo  Os novos feudos pós-capitalistas e suas unidades paramilitares II, que faz parte  da série...

terça-feira, 7 de julho de 2020

domingo, 5 de julho de 2020

quarta-feira, 1 de julho de 2020

sábado, 27 de junho de 2020

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Blog do Roberto Moraes: O Brasil diante de mais uma encruzilhada

Blog do Roberto Moraes: O Brasil diante de mais uma encruzilhada: Por que o Congresso espera o protagonismo do STF para evitar que o autoritarismo em grau maior do BolsoMilitarista seja contido? Embora, o L...

segunda-feira, 22 de junho de 2020

Caso Vicentín en Argentina: se enreda la expropiación y el Gobierno pres...





El presidente de Argentina, Alberto Fernández, desistió por ahora de la expropiación de la compañía agroexportadora, después de que un juez pusiera freno a su intención. Ahora se acoge a un plan presentado por el gobierno local de la provincia de Santa Fe.

Barómetro Latinoamericano : ¿Está el mundo en manos de un psicópata?

Barómetro Latinoamericano : ¿Está el mundo en manos de un psicópata?:



O mundo está nas mãos de um psicopata?


Há já algum tempo que dizemos que ninguém deveria se surpreender com a presença de presidentes com antecedentes criminais, assassinos, genocídios, violadores de direitos humanos, traficantes de drogas, paramilitares, homofóbicos, racistas ou xenófobos. Não acho que nenhuma dessas condições - algumas ou todas - seja motivo de espanto. Pelo contrário, isso é inerente ao sistema capitalista que arrasta todos esses borrões; portanto, é natural colocar um de seu próprio povo no lugar mais alto da administração.



A democracia representativa como expressão política do sistema capitalista não é democrática nem representativa.

De fato, é uma ditadura dos poderosos. A ideia de que a democracia é o governo da maioria deixou de ser uma realidade, se é que alguma vez foi. Hoje, a maioria dos governos do mundo é minoria, uma vez que o sistema distanciou os eleitores das pesquisas com as conseqüentes abstenções, que em muitos casos chegam a 50% ou mais. Nesse sentido, os "líderes" são favorecidos com o apoio de 20 a 30% dos eleitores, legalizando uma democracia ilegítima, que é expressa diariamente em qualquer pesquisa de opinião.

Mas esse infortúnio passou a acrescentar muito pior e mais perigoso. Por quase um século, o mundo não está imerso no perigo de uma liderança irracional e fora de controle que responde a situações de natureza subjetiva que a política não pode lidar. Estamos diante do desempenho psicótico de alguns líderes, especialmente Donald Trump. Assim, tenho a impressão de que os instrumentos de política, economia e direito não são suficientes para fornecer respostas a variáveis ​​que entram no campo do absurdo, do tolo e do absurdo. É necessário recorrer à psiquiatria e à psicologia para ajustar comportamentos políticos contra lideranças como as de Trump e, em menor grau, Bolsonaro, Piñera e Uribe, que violam as normas elementares da conduta política, transformando a arte da liderança estatal em uma soma de vontades fanáticas baseadas no desprezo e no ódio pela humanidade. Duque não, Duque é controlado remotamente pelo outro, é por isso que na Colômbia o chamam de presidente.

O psicólogo catalão Oscar Castillero Mimenza partiu em um artigo para descobrir as características psicológicas de Adolfo Hitler. Para isso, foi baseado nos perfis projetados pelo proeminente psicólogo americano Henry Murray, que em 1943 realizará o primeiro perfil psicológico de Hitler em nome do Escritório de Serviços Estratégicos dos Estados Unidos (OSS). O relatório intitulado: “Análise da personalidade de Adolf Hitler: com previsões para lidar com ele antes e depois da rendição da Alemanha” é uma referência obrigatória para esse tópico, embora tenha sido lançado apenas em 2004.
Castillero alerta - da mesma maneira que todos os especialistas consultados para este artigo fizeram - que, sem ter conseguido tratamento direto com o paciente, “a única maneira de tentar estabelecer algo semelhante a um perfil psicológico é a análise de seus discursos. , seus atos e as idéias que ele transmitiu através da escrita ”.

Do estudo de Murray, Castillero faz nove considerações que emergem do estudo de personalidade do líder nazista:
1.             Egolatria e complexo do Messias.
2.             Dificuldades para privacidade.
3.             Sentimentos de inferioridade e auto-desprezo.
4.             Despreze a fraqueza.
5.             Perseverança.
6.             Carisma e capacidade de manipular.
7.             Teatralidade.
8.             Obsessão com poder.
9.             Pouca capacidade de empatia.
Quando perguntado sobre isso, um professor aposentado da Faculdade de Psicologia da Universidade Central da Venezuela, que pediu para não ser identificado, opinou que as considerações de Castillero podem ser perfeitamente aplicadas para confirmar que a personalidade de Trump é análoga à de Hitler.

Segundo o ex-professor: "seu discurso, comportamento e ações denotam características semelhantes". Ele afirmou que o indivíduo psicopata não é curável e não pode superar a doença.   Em um caso como esse, que se refere a um indivíduo inteligente e de alto nível, com carisma e capacidade de enganar e manipular, com manifestações egocêntricas abertas e baixa empatia, geralmente se refere a pessoas com sérias dificuldades em configurar uma personalidade estável, elas precisam ser reconhecidos, porque na maioria das vezes não foram reconhecidos na infância ou juventude e sofreram deficiências emocionais.

A quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, afirma que: “A psicopatia é um distúrbio de personalidade complexo caracterizado por dificuldades emocionais, comportamentais e de relacionamento. Sua repercussão é clínica, social e judicial. [...] Traduz para o aparecimento simultâneo de problemas em três aspectos: no relacionamento com os outros, na afetividade e no comportamento.

Esta "bíblia" para o diagnóstico de transtornos mentais nos Estados Unidos afirma que: "Os psicopatas são caracterizados por terem sentimentos de grandeza, serem arrogantes e egoístas. Eles se orgulham de si mesmos e tendem a culpar os outros por seus fracassos e deficiências. Eles facilmente tiram vantagem de outras pessoas usando charme, manipulação e engano. Suas emoções são superficiais e insinceras, e eles se arrependem pouco quando prejudicam alguém. Eles têm falta de empatia e são frios e superficiais. ”

Alicia Pérsico, psicóloga clínica, professora da Faculdade de Psicologia da Universidade Centro-Americana (UCA) em Manágua, Nicarágua, após concordar com Castillero de que, para ter um diagnóstico definitivo, o paciente deve ser tratado para saber quais elementos influenciam um determinado comportamento. No entanto, ele acredita que é possível detectar comportamentos inapropriados para a sociedade após a manifestação de padrões exacerbados de desprezo e violação dos direitos   de terceiros   em certos indivíduos, que estão relacionados a critérios de transtorno   sociopático (antissocial ou psicopático) da personalidade. .

Esses indivíduos têm uma distorção na observação do contexto, acreditam que o que pensam é realidade, independentemente do que os outros possam pensar. Mas, para justificar suas considerações, eles precisam de um grupo que dê coerência ao seu ponto de vista.

O professor Persian aprecia que, quando uma pessoa com essas características tem poder, ocorre uma transformação pela qual ela se sente sobre outras, que é um distúrbio sério que influencia as percepções e os comportamentos.

O acadêmico continua expressando que, no caso de Trump, pode-se dizer que nos Estados Unidos há um forte fator cultural que molda a personalidade de seus cidadãos, destacando valores de supremacia, que se manifesta poderosamente em todos os presidentes dos Estados Unidos que foram expoentes   de um pensamento e comportamento distorcidos, que os levaram a acreditar que têm um destino na história e que são enviados por Deus, condição sine qua non para ser presidente.

Nesse sentido, o historiador e crítico social americano Morris Berman, especialista em investigar a história cultural e intelectual do Ocidente, em um panfleto intitulado "Localizando o inimigo: mito versus realidade na política externa dos EUA" acredita que a religião naquele país impõe a noção de que sua missão é "democratizar o resto do mundo (à força, se necessário)".

Berman julga que já nos primeiros puritanos que chegaram ao que mais tarde se tornariam os Estados Unidos, havia essa idéia de um grupo de pessoas escolhidas por Deus. No navio Arabella, ao atravessar o Atlântico, John Winthrop em 1629 disse: "Descobriremos que o deus de Israel está entre nós ... ele nos salvará e nos glorificará, pois devemos considerar que seremos uma cidade na colina, os olhos de todo o mundo estão. colocado sobre nós ”.

Dois séculos depois, o escritor americano Henry David Thoreau continuou a fortalecer a idéia afirmando que "... se os Estados Unidos não fossem o pioneiro do Great Western seguido por outras nações, então o mundo - deixe-me repetir: o mundo - não teria nenhum propósito real" .

Assim, todos os presidentes dos Estados Unidos incorporaram essa ideia de ser o "povo escolhido" em seu discurso. Milhares de religiosos de seus púlpitos repetiram junto com a também escritora norte-americana Harriet Beecher Stowe - famosa por seu romance "A cabine do tio Tom" - que "Deus criou os Estados Unidos para iluminar toda a humanidade".

Berman expressa que todo esse pensamento teve uma grande influência na política externa de seu país, porque se você considera que "você é bom e que o Outro é ruim, por definição, deve transpolar essa mitologia simplista para o mundo e para o diabo." a realidade".

Esse fator cultural, ao qual o professor Persico estava se referindo, tem - no caso de Trump - uma forte influência, dadas suas características faranduleras que lhe permitem projetar e sobreviver em meio às adversidades.
Os presidentes dos Estados Unidos não se preocupam com as pessoas em alcançar seus objetivos, eles não são considerados seres humanos que estão morrendo, mas "baixas". Seu discurso só pode mudar quando essas vítimas chegam ao país (ou ocorrem nele, como aconteceu em 11 de setembro ou hoje, em tempos de coronavírus) em caixas de madeira que são entregues às famílias. Quando o melhor interesse é lucro e lucro, "não importa que pessoas inferiores que não servem morram". É o clássico discurso supremacista presente em Trump, de uma maneira submersa, mas atual.

Então, outro fator opera: o da culpa, alguém deve ser o culpado.

Hoje é a China, a OMS, os governadores, a mídia ou qualquer um que possa pensar, mas o presidente nunca. Seu narcisismo o leva a pensar que, não importa quantos morram, o que importa é o "primeiro da América". Ele tem um objetivo e ninguém o move da pesquisa.

Esses são atributos típicos do paciente. Em Trump, também se manifesta claramente um traço narcisista distorcido da realidade, que é revelado em sua ideia de grandeza, em sua capacidade de manipulação que leva a manter todos preocupados com coisas pequenas. Essa ilusão sempre o leva a colocar a palavra "ótimo" antes de tudo o que diz: "o grande estado de Nova York", "a grande indústria dos Estados Unidos", "os grandes trabalhadores do petróleo" e outros sem precisar ser usado em termos de idioma.

Seu ego gigantesco, a suposição de que ele merece todos os elogios, além de suas apreciáveis ​​manifestações de autoritarismo, arrogância e arrogância, seu desprezo pelas pessoas, sua necessidade de ser admirado e lisonjeado, sua falta de empatia com as pessoas ainda mais próximas. sua agressividade na fala e na gesticulação estão criando um perfil que se encaixa perfeitamente no perfil de um paciente com características psicóticas. Da mesma forma, sua ideologia e comportamento racista vêm da juventude, considerando que seu pai era um membro ativo da Ku Klux Klan.

Seu discurso inconsistente e as contínuas mudanças em suas convicções são responsáveis ​​por uma personalidade instável, extremamente perigosa ao gerenciar habilidades e possibilidades que influenciam a vida de milhões de pessoas, neste caso ao falar sobre o homem que preside o país mais poderoso do planeta.

Em uma mensagem do escritor inglês Nate White que foi amplamente reproduzida nas redes sociais, ao caracterizar Trump, ele diz que:   "Bata baixo, o que um cavalheiro não deveria, nunca poderia fazer, e cada golpe que ele recebe fica abaixo do cinto. Ele gosta particularmente de chutar os vulneráveis ​​ou os sem voz ".   Ele acrescenta: “Torna-se uma forma de arte; ele é um Picasso de maldade; Shakespeare de merda ", e continua:" Seus defeitos têm defeitos ... Deus sabe que sempre houve pessoas estúpidas no mundo, e muitas pessoas desagradáveis ​​também. Mas raramente a estupidez tem sido tão desagradável ou o mal tão estúpido. Ele faz Nixon parecer confiável e George W. Bush parece inteligente. ”

Para finalizar sua descrição, ele escreve que “se Frankenstein decidisse fazer um monstro dominar inteiramente os defeitos humanos, ele faria um Trump. E se ser idiota fosse um programa de televisão, Trump seria uma série ".
Agora, vejamos algumas das ações de Trump: ele expressou felicidade pública com o aumento de pacientes infectados por coronavírus no Irã.

Ele aprovou a realização de manobras militares na Europa, Bahrain, Colômbia e Caribe, no auge do coronavírus na Europa e nos Estados Unidos. Ele não estava interessado em saber que a gripe espanhola relatada pela primeira vez em Fort Riley (Kansas, Estados Unidos) em 1918 foi potencializada pela Primeira Guerra Mundial e trazida da América para a Europa por um soldado dos EUA.

Ele se tornou o primeiro presidente a declarar guerra bacteriológica a suas próprias forças armadas, considerando que essa decisão significou que, além de "Theodore Roosevelt", os porta-aviões "Ronald Reagan", "Carl Vinson" e "Nimitz" também tiveram casos confirmados de coronavírus.
Ele recebeu com satisfação a demissão do chefe do porta-aviões "Theodore Roosevelt", que havia solicitado que seus marinheiros fossem capazes de executar adequadamente a quarentena.

Ele encorajou manifestações contra os governadores democratas que decretaram quarentena e distanciamento social, pedindo "Minnesota livre". Michigan e Virgínia. "
Determinou arbitrariamente a abertura de atividades comerciais e esportivas quando o coronavírus ainda estava no auge.

Ele ameaçou fechar o congresso de seu país, se os parlamentares não aprovassem as propostas que ele havia feito para nomear novas posições no governo.

Ele ordenou a aprovação de uma lei em apoio a Taiwan que viole os acordos nos quais as relações entre os Estados Unidos e a China se baseiam, no mesmo dia em que ele teve uma conversa amigável por telefone com o presidente Xi Jinping.
Ele insistiu sem provas em culpar a China por causar a pandemia e a OMS por ser cúmplice em sua disseminação.

Ele recomendou o uso de hidroxicloroquina no tratamento do vírus, contra a opinião informada da OMS e das autoridades de saúde de seu país, apenas porque ele é acionista do laboratório francês que produz o medicamento. No Brasil, eles o ouviram e 11 mortes ocorreram.

Ele ordenou retirar a contribuição monetária dos Estados Unidos para a OMS, em pleno desenvolvimento da pandemia.
Estimulou a compra de armas pelos cidadãos como instrumento de defesa, prevendo que a pandemia e a crise que ela possa produzir gerarão massas insatisfeitas que atacarão empresas e residências.
monlan2001@yahoo.com

Barómetro Latinoamericano : Le salió por la culata lo "col" que sería invadir ...

Saiu do alvo como "cool" seria invadir a Venezuela a Trump

As recentes revelações conhecidas do livro escrito pelo ex-homem forte de Trump John Bolton sobre uma confissão feita por seu ex-chefe de que: "seria legal invadir a Venezuela", era o presságio de que essa frase da criação popular por Os venezuelanos dizem: "Quem mexe com a Venezuela seca"; é o que se tornou um fracassado vergonhoso para a política americana, até o dia da pátria do libertador Bolívar.


A idéia estúpida dos americanos de acreditar que toda a América Latina é seu quintal os fez perder de vista o fato de que a Venezuela - junto com Cuba - são países que têm uma história revolucionária e deixaram esse personagem para o resto que Figo admirava. Mas também são países que tomaram a dianteira para conter as políticas imperiais dos Estados Unidos.

É assim que; Não era apenas Trump que planejava invadir a Venezuela, mas como parte da política de "quintal" dos EUA; Foi Obama quem, em 8 de março de 2015, assinou a ordem executiva que declarou: "Venezuela uma ameaça para os EUA"; e que foi ratificado em 24 de agosto do ano passado por Trump.

Após a ratificação da ordem executiva, Trump tentou aplicar uma estratégia múltipla para intervir na terra natal do libertador. Começou em abril de 2017, organizando o Grupo Lima para combater o apoio dos países da ALBA, por meio do lobby de marionetes do Almagro, que após uma ofensiva agressiva nunca conseguiu aplicar a Carta Democrática da OEA.

Mais tarde, eles tentaram eliminar fisicamente o presidente Maduro com uma tentativa de assassinato em 4 de agosto de 2018 através de um ataque terrorista de pistoleiros colombianos e venezuelanos, que também terminou em um fracasso retumbante.

Em seguida, eles tentaram invadir a Venezuela usando "Humanitarian Aid", no concerto de música "Live Aid Venezuela" em 22 de fevereiro de 2019, que também terminou em outro fracasso retumbante.

Da mesma forma, o governo Trump organizou a implementação de um bloqueio econômico e naval contra a Venezuela, ordenando também o confisco de ativos do Estado venezuelano em bancos estrangeiros.
Ou seja, as tentativas de acabar com a revolução bolivariana têm sido incessantes e incontáveis, que o "frio" a que Trump se referiu de maneira fofoqueira nada mais é do que o tiro na bunda que saiu para mexer com a Venezuela.
prudenprusiano@gmail.com