segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A pomba da paz de Obama, nos céus do Irã


6/2/2012, *MK Bhadrakumar, Indian Punchline (+vídeo)
Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

O presidente Barack Obama falou sobre o Irã. Escolheu momento em que capturou a máxima atenção do público norte-americano – entrevista ao vivo, durante o show pré-jogo, na rede NBC, antes do Super Bowl, no domingo à noite [1]. Na essência, Obama desqualificou e esvaziou todas as ardentes especulações sobre o que significaria o muito estranho “vazamento”, pela boca do secretário de Defesa Leon Panetta, da possibilidade de Israel atacar o Irã nos próximos três meses. 

Li em algum lugar que o melhor favor que se pode prestar a um amigo embriagado que insiste em dirigir depois da festa, é roubar-lhe a chave do carro. Para obrigá-lo a chamar um táxi. Foi exatamente o que Obama fez.

Obama disse que EUA e Israel movem-se “de braços dados” na questão iraniana; que ele, Obama, não tem notícia alguma sobre qualquer decisão, em Israel, de atacar o Irã – “Não me consta que Israel já tenha decisão tomada sobre o que venham a fazer”. Disse que seus assessores e colaboradores “não veem sinal algum de que o Irã tenha intenção ou capacidade” para atacar em solo dos EUA. E disse também, claro, que a diplomacia continua a ser a “solução preferencial” para resolver o impasse com o Irã. Tudo isso ajudou muito substancialmente a dissipar as nuvens de guerra que se vinham acumulando nos céus do Golfo Persa nas últimas semanas. 

Na minha avaliação, a frase mais importante da fala de Obama foi a seguinte: “Mas os iranianos ainda não tomaram as medidas que têm de tomar, no plano diplomático. Os iranianos têm de declarar ao mundo: “Vamos manter nosso programa nuclear pacífico; e não trabalharemos para construir armas atômicas”.” – Não há aí, bem clara, uma fórmula para a paz? 

Obama já não insiste que o Irã deva abdicar do direito legítimo de manter seu programa nuclear, nos termos autorizados pelo Tratado de Não Proliferação Nuclear; por seu lado, o Irã pode ajudar a acertar as coisas, permitindo que se imponham novas salvaguardas, que aplacariam as apreensões da comunidade internacional sobre a verificabilidade das sempre repetidas intenções iranianas de não produzir armas atômicas. 

A parte crucial de toda a fala é que Obama reconheceu abertamente que o programa nuclear iraniano, pelo menos como é hoje, continua a ser programa pacífico. 

O mais fascinante do movimento político, me parece, é que Obama, político altamente cerebral, apontou também para outra direção, como se lá estivesse a mensagem principal. Disse ele: “Mereço um segundo mandato, mas não acabamos de fazer o que temos de fazer. Conseguimos avançar. Não vamos agora nos pôr a andar a esmo, noutra direção, que acabará por consumir o avanço que obtivemos”. E em seguida, como em sequência “normal”, Obama continuou a falar, durante grande parte da entrevista, sobre o Irã. 

Parece-me que Obama, político excepcionalmente inteligente, decidiu voltar alguns passos atrás e impedir que a campanha eleitoral continue na trilha da bravata e dos maus modos. Foi como se Obama usasse aquela entrevista para dizer que, embora a campanha esteja só começando, ele não está interessado em jogar com a ‘carta’ iraniana. Em outras palavras, foi como se dissesse que não vai misturar jogadas da política doméstica e a questão nuclear iraniana. Não há dúvidas de que Teerã perceberá o movimento de Obama – por mais que muitos “analistas” não se cansem de repetir que Obama não hesitará em ir à guerra contra o Irã, se entender que qualquer nova guerra o ajudará na campanha pela reeleição. 

É evidente que estão em movimento vários canais subterrâneos de contatos. Meu palpite é que Obama acertou, ao optar por registrar os sinais positivos que vêm de Teerã, de que o país está interessado em retomar contatos construtivos. Evidentemente é preciso paciência para montar todo o quebra-cabeças persa. Mas fato é que o Irã fez de tudo para conquistar os inspetores da AIEA que visitaram o país na semana passada. E os inspetores informaram, satisfeitos, que voltarão em fevereiro, para uma segunda visita. Entre uma visita e outra, Obama falou.
____________________

*MK Bhadrakumar foi diplomata de carreira do Serviço Exterior da Índia. Prestou serviços na União Soviética, Coreia do Sul, Sri Lanka, Alemanha, Afeganistão, Paquistão, Uzbequistão e Turquia. É especialista em questões do Afeganistão e Paquistão e escreve sobre temas de energia e segurança para várias publicações, dentre as quais The Hindu, Asia Online e Indian Punchline. É o filho mais velho de MK Kumaran (1915–1994), famoso escritor, jornalista, tradutor e militante de Kerala.


Nota dos tradutores

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Registre seus comentários com seu nome ou apelido. Não utilize o anonimato. Não serão permitidos comentários com "links" ou que contenham o símbolo @.

Postar um comentário