domingo, 16 de outubro de 2011

EUA preparam terreno no Irã


Publicado em 16/10/2011 – por *Mário Augusto Jakobskind

Será que chegou a vez do Irã ser palco de uma nova operação militar do gênero realizada mais recentemente na Líbia? A Arábia Saudita e Israel, dois países fundamentalistas a sua maneira, um muçulmano sunita e outro judaico, há tempos pressionam os Estados Unidos no sentido de iniciar uma ação militar contra o regime dos aiatolás. Documentos do site Wikileaks revelam esse interesse. E então surge mais uma história estapafúrdia envolvendo a CIA, narcotraficantes mexicanos e dois agentes do regime iraniano que preparavam um suposto atentado contra a vida do embaixador saudita nos Estados Unidos.

O que se pergunta é qual exatamente seria o interesse do regime iraniano em assassinar um representante saudita exatamente nos Estados Unidos e ainda por cima em um restaurante, o que provocaria vítimas civis? Mas antes mesmo de esclarecer o fato, que não se sustenta, diga-se de passagem, a Secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton sai em campo para convencer os mesmos governos de sempre a adotarem mais represálias contra o Irã.

O Pentágono não fez por menos. Segundo declarou um dos porta-vozes, George Little, “o objetivo por enquanto é seguir impondo uma pressão financeira e diplomática sobre os iranianos". Ressalta-se o “por enquanto”, pois o resto vai depender de como as autoridades estadunidenses conseguirem convencer os demais governos no episódio.

A União Europeia segue o mesmo diapasão dos EUA e a mídia de mercado de todos os quadrantes do mundo dá o maior destaque ao suposto preparativo do atentado. A notícia é espalhada pelo mundo como se fosse uma verdade absoluta, praticamente sem contestação, apesar do desmentido veemente do governo de Mohamed Ahmadinejad. O dirigente iraniano não só negou como ainda assinalou que “assassinato é coisa de vocês"(estadunidenses).

Cria-se o clima propício para o Ocidente, com o apoio de monarquias do Golfo que abrigam bases militares dos EUA, como Bahrein e a própria Arábia Saudita, a aumentar a demonização do regime iraniano

Não é de hoje que os serviços secretos dos EUA, de Israel e da Arábia Saudita estão mobilizados na cruzada para preparar o terreno no sentido de ampliar as represálias contra o Irã e até mesmo em determinado momento iniciar uma ação militar com a colaboração inestimável da Organização do Tratado do Atlântico Norte

Para que isso aconteça é necessário criar fatos. Todas as recentes ações militares dos EUA foram precedidas de denúncias que geralmente depois não se comprovaram, como no caso do Iraque e mais recentemente da própria Líbia

A propósito deste país do Norte da África, as batalhas continuam em Sirte e Bani Walid, que o Conselho Nacional de Transição (CNT)  havia anunciado que estavam praticamente controladas por suas forças. Os fatos demonstraram que as informações não passavam de uma estratégia de manipulação midiática

Neste mesmo contexto insere-se o fato mais recente da prisão de um dos filhos de Muammar Kadhafi. Os opositores de Kadhafi em um primeiro momento anunciaram com toda a pompa a prisão em Sirte de Muatassim Kadhafi e complementaram informando que ele estava sendo conduzido para Benghazi. Nenhuma foto foi apresentada e horas depois a notícia foi desmentida. Repetiu-se a história de outro filho, Seif al-Islan Kadhafi, que tinha sido anunciado como preso e posteriormente apareceu conversando tranquilamente com jornalistas que se encontravam em Trípoli

A Anistia Internacional acusou o CNT de desrespeitar os direitos humanos com a prisão indiscriminada de 2.500 homens das forças de Kadhafi.  Mas isso pouco importa à OTAN, que com o tempo vai criar o seu primeiro protetorado na África. É tudo uma questão de tempo.

Em relação ao ex-presidente George W. Bush, os seus crimes cometidos durante dois mandatos presidenciais não foram esquecidos. Tanto assim que a Anistia Internacional (AI) pediu às autoridades canadenses para prendê-lo e processá-lo judicialmente por crimes cometidos contra o direito internacional. A Anistia entende que isso poderá ser feito quando o ex-presidente estadunidense estiver no Canadá na próxima quinta-feira (20)

No entender de Susan Lee, diretora da Anistia para a região das Américas, “o Canadá deve cumprir as suas obrigações internacionais e prender e processar judicialmente o ex-presidente Bush, dada a sua responsabilidade em crimes contra o direito internacional, incluindo tortura”. 

As acusações estão relacionadas com um programa secreto da CIA, aplicado entre 2002 e 2009, que segundo a AI permitia contra os detidos o uso “de tortura e de outros tratamentos cruéis, desumanos e degradantes”.

No mais, na próxima quarta-feira (19), dentro das atividades da Semana de Democratização da Mídia, de 17 a 21 de outubro, entidades dos movimentos sociais estarão promovendo a faxina da calçada de TV Globo, a partir das 14 horas, na rua Von Martius, no Jardim Botânico, em protesto contra a manipulação da informação produzida pela emissora.

*Mário Augusto Jakobskind é correspondente no Brasil do semanário uruguaio Brecha. Foi colaborador do Pasquim, repórter da Folha de São Paulo e editor internacional da Tribuna da Imprensa. Integra o Conselho Editorial do seminário Brasil de Fato. É autor, entre outros livros, de América que não está na mídia, Dossiê Tim Lopes - Fantástico/IBOPE


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Registre seus comentários com seu nome ou apelido. Não utilize o anonimato. Não serão permitidos comentários com "links" ou que contenham o símbolo @.

Postar um comentário