sábado, 22 de outubro de 2011

Alvo de “targeted assassination” e pré-condenado à morte pelos EUA-OTAN?

Falam os advogados de Seif-al-Islam Gaddafi

Franklin Lamb
22/10/2011, Franklin Lamb, Al-Manar Líbano  
e em Counterpunch 

Tarde da noite, anteontem, dia 20/10/2011, o escritório da secretária de Estado e a Comissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA e a Embaixada da Líbia em Washington, DC, receberam comunicado, por fax, de uma firma internacional de advogados, cujos profissionais preparam-se para embarcar para a Líbia. 

Esses advogados, cujos serviços foram contratados por amigos da família Gaddafi, têm a tarefa de defender Seif-al-Islam no processo iniciado dia 26/6/2011 na Corte Criminal Internacional e, também, agora, em todas as ações penais que o governo do Conselho Nacional de Transição inicie contra ele, na Líbia.

Seif-al-Islam
Foram alertados por apoiadores de Gaddafi na Líbia e em países vizinhos, para várias evidências de que o Conselho Nacional de Transição, controlado pela OTAN, já tem planos para assassinar Seif-al-Islam, antes que ele possa fazer qualquer contato com a imprensa internacional e seus apoiadores, consequência de, dia 29/8/2011, seu pai tê-lo nomeado seu representante oficial. Seif, antes, já anunciara seus planos para candidatar-se em eleições futuras, que seriam organizadas. Pesquisas informais de opinião mostraram que teria mais de 70% dos votos, se se candidatasse, ainda que as eleições se realizassem já com o país controlado pela OTAN.

Participo do grupo que fez contato com aquela empresa de advogados que já trabalham, agora, para salvar a vida de Seif-al-Islam. A seguir, um trecho do documento entregue anteontem em Washington:

“Exigimos que nosso cliente, Seif al Islam al Gaddafi, passe imediatamente a receber proteção, mesmo que venha a ser preso e que, se estiver ferido, receba tratamento adequado, a ser supervisionado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha, até que tenhamos contato pessoal com ele e haja tempo para que tomemos as providências indispensáveis para assegurar-lhe tratamento médico, proteção e perfeitas condições de segurança.

Insistimos que nosso cliente não poderá ser interrogado ou questionado de nenhum modo por ninguém, incluídas as autoridades do atual governo líbio, ou por investigadores da Corte Criminal Internacional, enquanto não tiver mantido contato legal e oficial com seus advogados e, no caso de estar ferido, antes que se recupere dos ferimentos.

Seif-al-Islam tem pleno direito de ser protegido, em cumprimento a normas internacionais. 

Exigimos que o Conselho de Segurança da ONU e organizações de Direitos Humanos em todo o mundo tomem todas as medidas legais indispensáveis para proteger e preservar a vida e a integridade física de nosso cliente.
Latuff
Respeitosamente solicitamos que a Corte Criminal Internacional assuma total responsabilidade sobre os restos mortais de Muammar e Mutassim Gadhafi, e que providencie para que sejam feitos todos os exames necroscópicos necessários, cujos laudos técnicos servirão como base legal para as medidas judiciais de acusação contra os responsáveis por essas duas execuções, as quais, como sugerem todos os indícios, foram execuções extra-judiciais. 

Informações obtidas por familiares e amigos de nosso cliente não deixam dúvidas de que a OTAN já ordenou seu assassinato. Há fortes motivos para crer que a OTAN planejou e já trabalha para executar planos para assassinar nosso cliente; esse assassinato visa a impedir que a OTAN seja exposta às medidas legais cabíveis, em processos nos quais seja acusada de práticas que, hoje, já são de conhecimento internacional, em muitos casos com testemunhos oculares de fontes confiáveis, além de elementos probatórios físicos e conclusivos, de feitos constatados ao longo dos últimos seis meses, durante os quais a OTAN atuou como exército agressor contra a Líbia e sua população civil.

Estamos concluindo os trâmites para apresentar à Corte Criminal Internacional nosso pedido formal de proteção para nossos clientes. Saif-al-Islam deve ser transferido para santuário de proteção, fora do território líbio, para evitar que seja assassinado como seu pai.

Já trabalhamos também para acusar formalmente os governos da Líbia e dos EUA, além da OTAN, pelo assassinato brutal do pai e do irmão de nosso cliente e por qualquer tipo de agressão que tenha sido ou venha a ser feita diretamente a Seif al Islam.

Assim também, trabalhamos para demonstrar ao Tribunal Criminal Internacional que, depois de aprovada a Resolução de 17/3/2011, no Conselho de Segurança da ONU, a OTAN várias vezes atacou alvos civis, com mais de 9.000 ataques aéreos, já como parte de sua campanha para assassinar o coronel Gaddafi e seus auxiliares e conselheiros mais próximos.

Demonstraremos também ao Tribunal Criminal Internacional que a OTAN várias vezes delegou a terceiros a missão de assassinar Moammar Gadhafi e que seus assassinos, no crime afinal perpetrado dia 20/10/2011, sabiam que havia uma grande recompensa em dinheiro para quem o assassinasse. Na verdade, os oito meses de continuada destruição da Líbia, comandada por oficiais da OTAN e vários líderes ocidentais, sempre visou, sobretudo, a silenciar o governante líbio, afinal assassinado.”

Gaddafi foi um dos grandes, talvez o maior, financiadores da campanha eleitoral do presidente Nicholas Sarkozy da França e guardava informações sobre seus contatos com outros líderes ocidentais, informações que, se divulgadas, seriam desastrosas para mais de uma importante carreira política. 

Os próximos dias serão um importante teste para a comunidade internacional, até saber-se se a lei internacional “vale para a OTAN e seus estados membros, e para a Líbia. Do resultado do que aconteça nos próximos dias, depende a evolução da situação na Líbia – que poderá afundar ainda mais em longa guerra civil, complicada excepcionalmente, segundo notícias recentes, por milícias armadas de mais de seis países africanos que se organizam para reunir-se em território líbio, para tentar proteger a população civil, na Líbia que foi criminosamente destruída pela OTAN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Registre seus comentários com seu nome ou apelido. Não utilize o anonimato. Não serão permitidos comentários com "links" ou que contenham o símbolo @.

Postar um comentário