domingo, 9 de outubro de 2011

Julian Assange - Manifestação contra a guerra do Afeganistão

8/10/2011, Julian Assange, Londres [fala transcrita e traduzida]
Harry Fear.TV -  Julian Assange- OCT Antiwar Mass Assembly
Enviado pelo pessoal da Vila Vudu


Que bela multidão, é a multidão que sempre me alegra ver. É estimulante ver tanta gente que partilha os valores que me são caros.

Quero falar-lhes sobre um tema: o que podemos fazer sobre essa guerra, porque a realidade é que Margaret Tatcher tinha razão: já não há sociedade. O que há é elite da polícia transnacional, que controla o mundo, saqueia o mundo, servindo-se do dinheiro dos contribuintes.

Para combater aquela elite, já não temos de pedir: temos de tomar. Temos de formar e fortalecer nossas próprias redes, de nossos valores partilhados e força, que podem enfrentar aquelas elites que formaram uma aliança, mãos nas mãos, com seus interesses de favorecer guerra, que sugaram o dinheiro dos EUA e de tantos países, e o mandaram para a Somália, para o Paquistão, para o Afeganistão e mergulharam aquele dinheiro em sangue humano.

Não preciso falar da guerra, que vocês todos conhecem bem, de imagens de refugiados de guerra, da barbárie da guerra, de mortes, mais de 115 mil no Iraque, e muitas mortes mais, mantidas em segredo pelos EUA, que não contam os civis mortos. Em vez disso, quero dizer a vocês o que me parece que sejam as guerras, e o que temos de fazer para que não aconteçam mais. 

Na democracia, ou no tipo degradado de democracia em que vivemos, as guerras sempre são resultado de mentiras. Na guerra do Vietnã, a pressão para que os EUA se envolvessem foi resultado do incidente no golfo de Tomkin: uma mentira. A guerra do Iraque, já se sabe, é resultado de uma mentira. As guerras na Somália: resultado de mentiras. A segunda guerra mundial e a invasão alemã na Polônia, resultado de mentiras cuidadosamente construídas. São guerras inventadas pela mídia. Em todos esses casos, houve uma mídia dedicada a criar guerras. 

Perguntemos nós mesmos, à mídia complacente, que é praticamente toda a mídia-empresa no mundo: por quantas mortes é responsável cada jornalista? Qual o número médio de mortes que resultaram da ação de cada jornalista? 

Quando entendermos que as guerras são resultado das mentiras que os jornalistas dizem ao público nos EUA, no Reino Unido e em toda a Europa e em outros países, saberemos quem são os criminosos de guerra: não são só os generais, nem só os políticos, nem os soldados. São os jornalistas. Jornalistas são criminosos de guerra. 

E por que digo que não nos podem levar a um estado de desespero? Porque a realidade que criam para nós, é realidade criada por mentirosos. É criada por gente próxima do poder que se esperava que a imprensa fiscalizasse. Sou otimista. Porque, se a guerra é criada por mentirosos, é realidade que pode ser desconstruída e reposta, com verdade. Se a guerra pode ser criada por mentiras, a paz pode ser criada pela verdade. 

Portanto, nossa tarefa, a tarefa de vocês, é descobrir a verdade: saiam daqui, metam a mão no pacote inteiro, descubram a verdade e a distribuam ao mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Registre seus comentários com seu nome ou apelido. Não utilize o anonimato. Não serão permitidos comentários com "links" ou que contenham o símbolo @.

Postar um comentário